Tribuna em Foco -...
Tribuna em Foco - Por Gili Perin e Fernando Von Noble

Coluna

Tribuna em Foco - 03 de Agosto de 2018

03 de Agosto de 2018
Publicado em: 03 de Agosto de 2018

No meio da semana, uma garotada era pura euforia! A Elisa e os gêmeos Pedro e Davi fizeram festa para comemorar o aniversário da mamãe, Eli Batista! A empresária e jornalista comemorou aniversário no primeiro dia de agosto, na última quarta-feira. Além do carinho dos filhos, a Eli recebeu toda a atenção do esposo Dirceu Pereira Vieira. Mas a festa em família não parou por aí! Nesta sexta, é a vez da Elisa completar mais um aninho de vida e a família já está comemorando!!! Desejamos muitas felicidades, sempre! Família linda!


 

Já no segundo dia de agosto, a aniversariante foi a querida Ana Carolina Memória. Acadêmica do curso de Direito na Universidade Federal de Rondônia, Campus Cacoal, a Ana Carolina já conquistou as páginas do jornal Tribuna Popular. Isso porque, toda semana, ela envia seus textos e poesias para o Cantinho Literário. Não deixe de conferir os versos da Ana Carolina em nossas páginas. Mas hoje, fica aqui registrado os nossos parabéns e feliz aniversário!!!


 

Esta sexta-feira, 3 de agosto, é de festa para o advogado Tony Pablo de Castro Chaves, que celebra mais um ano de vida.  O carinho especial, claro, vem da esposa Samara Gnoatto e dos filhos Lucca e Thomaz. Muita festa, saúde, trabalho e sucesso Dr. Tony!!!! Parabéns!


 

O domingo foi realmente muito especial para minha família!!! Isso porque meus pais, Adair Antônio Perin e Leane Perin completaram 40 anos de uma união muito abençoada.  Mas não foram só os dois que celebraram mais um ano de união no último domingo. Há oito anos atrás, meu irmão Tales e minha cunhada Eliane aproveitaram a mesma data especial, dia 29 de julho, para oficializar também a união dos dois. Foi um café da manhã de muito carinho, amor e felicidade, que renderam várias lágrimas de emoção... Mas além de todo o carinho, o seu Perin e a dona Leane ainda foram surpreendidos com uma viagem para o nordeste, já com data marcada para as férias de janeiro. Muita sombra e água fresca para comemorar 40 anos de casados!


 

No último sábado (28), foi realizado em Pimenta Bueno o primeiro Jantar Dançante para Casais, organizado pelo o Clube das Acácias e pela Loja Maçônica Monte das Oliveiras II. Meus sogros Sérgio Michelis (Laboratório São José) e Maria Cristina Fini Michelis (Espaço Criança) aproveitaram a noite na companhia do casal de amigos dr. Francisco Eduardo Morais de Oliveira e Cândida Helena Coelho Oliveira (Clínica Maria de Nazaré). Após o jantar, a banda Lado B levou muitos casais para a pista de dança, relembrando muitos sucessos!


 

O casal aí da foto é pura ansiedade e emoção!!! A jornalista Daniela Vilar, TV Cacoal, e o empresário Fernando Guedes, Jardins Cacoal, estão aguardando eufóricos a chegada do primeiro filhinho. O pequeno Davi chega ao mundo no dia 9 de agosto, pelas mãos da médica Letícia Marquiori! Desejamos muitas bênçãos para esta família!!!


 

Fica a dica!

 

Doença mão-pé-boca

(Fonte: Ministério da Saúde)

    A doença mão-pé-boca é uma enfermidade contagiosa causada pelo vírus Coxsackie da família dos enterovírus que habitam normalmente o sistema digestivo e também podem provocar estomatites (espécie de afta que afeta a mucosa da boca). Embora possa acometer também os adultos, ela é mais comum na infância, antes dos cinco anos de idade. O nome da doença se deve ao fato de que as lesões aparecem mais comumente em mãos, pés e boca.

São sinais característicos da doença:

  • febre alta nos dias que antecedem o surgimento das lesões;
  • aparecimento, na boca, amídalas e faringe, de manchas vermelhas com vesículas branco-acinzentadas no centro que podem evoluir para ulcerações muito dolorosas;
  • erupção de pequenas bolhas em geral nas palmas das mãos e nas plantas dos pés, mas que pode ocorrer também nas nádegas e na região genital;
  • mal-estar, falta de apetite, vômitos e diarreia;
  • por causa da dor, surgem dificuldade para engolir e muita salivação.

    A transmissão se dá pela via fecal/oral, através do contato direto entre as pessoas ou com as fezes, saliva e outras secreções, ou então através de alimentos e de objetos contaminados. Mesmo depois de recuperada, a pessoa pode transmitir o vírus pelas fezes durante aproximadamente quatro semanas. O período de incubação oscila entre um e sete dias. Na maioria dos casos, os sintomas são leves e podem ser confundidos com os do resfriado comum.

 

Tratamento:

    Ainda não existe vacina contra a doença mão-pé-boca. Em geral, como ocorre com outras infecções por vírus, ela regride espontaneamente depois de alguns dias. Por isso, na maior parte dos casos, tratam-se apenas os sintomas. Medicamentos antivirais ficam reservados para os casos mais graves. O ideal é que o paciente permaneça em repouso, tome bastante líquido e alimente-se bem, apesar da dor de garganta.

 

Recomendações:

  • nem sempre a infecção pelo vírus Coxsackie provoca todos os sintomas clássicos da síndrome. Há casos em que surgem lesões parecidas com aftas na boca ou as erupções cutâneas; em outros, a febre e a dor de garganta são os sintomas predominantes;
  • alimentos pastosos, como purês e mingaus, assim como gelatina e sorvete, são mais fáceis de engolir; 
  • bebidas geladas, como sucos naturais, chás e água são indispensáveis para manter a boa hidratação do organismo, uma vez que podem ser ingeridos em pequenos goles;
  • lembre-se sempre de lavar as mãos antes e depois de lidar com a criança doente, ou levá-la ao banheiro. Se ela puder fazer isso sozinha, insista para que adquira e mantenha esse hábito de higiene mesmo depois de curada;
  • evitar, na medida do possível, o contato muito próximo com o paciente (como abraçar e beijar);
  • cobrir a boca e o nariz ao espirrar ou tossir;
  • manter um nível adequado de higienização da casa, das creches e das escolas;
  • não compartilhar mamadeiras, talheres ou copos;
  • afastar as pessoas doentes da escola ou do trabalho até o desaparecimento dos sintomas (geralmente 5 a 7 dias após início dos sintomas);
  • lavar superfícies, objetos e brinquedos que possam entrar em contato com secreções e fezes dos indivíduos doentes com água e sabão e, após, desinfetar com solução de água sanitária diluída em água pura (1 colher de sopa de água sanitária diluída em 4 copos de água limpa);
  • descartar adequadamente as fraldas e os lenços de limpeza em latas de lixo fechadas.

IMPORTANTE: Somente médicos e cirurgiões-dentistas devidamente habilitados podem diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo.

 



Fonte: Gili Perin
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais de Tribuna em Foco - Por Gili Perin e Fernando Von Noble