Boca Maldita
Boca Maldita

Coluna

BOCA MALDITA: EXTINÇÃO DO PIRARARA

Boca Maldita de 04 de outubro de 2019
Publicado em: 04 de Outubro de 2019

EXTINÇÃO DO PIRARARA. A Associação de Moradores do bairro Floresta tomou uma decisão muito importante no mês de setembro. Os dirigentes decidiram fazer, mais uma vez, a limpeza do rio Pirarara, que encontra-se numa situação calamitosa de poluição. Além da associação do bairro, diversos órgãos públicos participaram dos trabalhos. As pessoas que falam de valores morais, de valores familiares, éticos e sociais jogam de tudo dentro do debilitado rio. Geladeiras, aparelhos de ar condicionado, computadores, aparelhos de TV, rádios, sofás, portas de carros, fogões, mesas, camas e outros inúmeros objetos que transformaram o rio em um gigante depósito de lixo e lata velha. Vale lembrar que pouco tempo atrás, cerca de 20 ou 30 anos, este mesmo rio era usado por famílias de Cacoal como espaço de lazer e entretenimento. Atualmente, com o alto grau de poluição, é muito perigoso até respirar perto do velho Pirarara, porque não é possível calcular as possibilidades de doenças que podem surgir do leito e das águas do rio. Em pouco tempo, as pessoas que nascerem daqui para frente não saberão mais o que é um rio...  Que pena!!!

 

BACIA CACOALENSE. O problema do rio Pirarára não está restrito apenas a este rio. Os rios Salgadinho, Tamarupá, Machado, São Pedro, Roosevelt, Melgaço, Pimenta Bueno e tantos outros são vítimas das mesmas ações de vandalismos e violência contra o meio ambiente e contra o direito das futuras gerações de poderem ter as mesmas oportunidades de nadar nos rios da região, como faziam aqueles que chegaram um pouco antes. Com certeza, se tivessem ainda vivos muitos pioneiros desta cidade, a história poderia ser diferente, porque os rios, árvores e animais da região eram protegidos. Interessante que naquele tempo nem era preciso fazer palestras, seminários, teatros e outros métodos para orientar sobre a proteção do meio ambiente. Hoje, quando as escolas fazem todo tipo de campanha, os problemas são muito maiores. Aliás, as pessoas que jogam lixo dentro dos rios não são alunos das escolas de Cacoal; são pais e mães de alunos que fazem longos discursos sobre patriotismo, amor à natureza e tudo mais. É como diria o cantor: “...fala que me ama, mas é da boca p’ra fora...”. Os rios pedem socorro!!!!

 

CONSELHO TUTELAR. Neste domingo, 06 de outubro, acontecerá a eleição para escolher os membros do Conselho Tutelar. Em Cacoal e Ministro Andreazza, bem como outras cidades da região, a campanha está bem movimentada e tudo indica que o domingo será de agito total. Vereadores, deputados, pastores, empresários, pecuaristas, agricultores e outros segmentos da sociedade estão todos muito envolvidos na eleição do Conselho Tutelar. Algumas dessas pessoas, como é o caso de cinco ou seis vereadores, estão atuando como cabos eleitores de diversos candidatos ao cargo de conselheiro tutelar, esperando que essas pessoas sejam eleitas e abracem suas campanhas à reeleição em 2020. Em diversos bairros da cidade, as reclamações contra os organizadores da eleição são generalizadas, porque em Cacoal haverá apenas um local de votação. Todos os eleitores da Capital do Café terão como única opção de votar a escola Concórdia, localizada no Centro, fato que certamente vai provocar um grande tumulto. Existem crianças e adolescentes no Divinópolis, Riozinho, Vista Alegre, São Marcos, Alfa Park, Paineiras e em muitos outros bairros de Cacoal. Concentrar a eleição em um único local, com certeza, não é o melhor caminho.

 

CAMPANHA OUTUBRO ROSA. Encerrada a campanha de combate ao suicídio, ocorrida no mês de setembro e denominada de Setembro Amarelo, agora inicia o Outubro Rosa, campanha de combate ao câncer de mama. Vale lembrar que se for diagnosticado bem cedo, o câncer de mama pode ser curado completamente. Além disso, as próprias mulheres podem tocar sua mama, conforme orientam os profissionais de saúde e observar se existe alguma coisa anormal. É muito importante que todas as mulheres sigam as orientações, porque o câncer de mama está entre as principais causas de morte de mulheres no Brasil. Em Rondônia, infelizmente, há uma triste estatística de muitos casos de câncer de mama e precisamos lutar juntos contra esse mal. Com a participação da sociedade, com a conscientização de todos, com certeza, vamos reduzir o número de casos de câncer em nosso estado. A campanha Outubro Rosa depende de nossa participação. Vamos todos colaborar. Dê um toque nas pessoas que você conhece!!

GUERRA LEGISLATIVA. O presidente da Câmara, vereador Valdomiro Corá, vive, desde que assumiu a presidência da Casa de Leis, uma guerra pública contra os procuradores efetivos do Poder Legislativo. Por várias vezes, o presidente da Câmara de Cacoal subiu à tribuna para dizer que os advogados concursados da Casa não trabalham, não comparecem ao serviço, não cumprem as normas do contrato que assinaram e aparecem no trabalho quando querem. Corazinho também fala que o Ministério Público precisa tomar uma providência e colocar os procuradores para trabalhar. Convenhamos, a posição do presidente da câmara não tem nenhuma lógica. Quem paga o salário dos procuradores é o presidente, quem assina o ponto dos servidores da câmara é o presidente, quem é o gestor dos recursos da câmara é o presidente. Os procuradores da câmara não são funcionários do Ministério Público. Se eles tiverem fazendo alguma coisa ilegal, o que não está comprovado, quem deve adotar as medidas é o presidente. O Ministério Público não responde, e nem pode responder, pelo DRH do Poder Legislativo.

 

HÁ CONTROVÉRSIAS. Aliás, na última sessão da Câmara de Vereadores de Cacoal, o vereador Mário Jabá Moreira cobrou do presidente da Casa maior responsabilidade com a gestão do legislativo. Jabá solicitou que Corazinho encaminhe cópia dos documentos assinados pelo presidente da Casa e que mostram que foi o próprio Corazinho que dispensou os procuradores efetivos do trabalho durante as sessões e alegou que não precisava dos serviços jurídicos deles. Uma coisa podemos afirmar, com certeza: esta guerra do presidente da Casa contra os procuradores não vai ser resolvida de maneira diplomática, porque o clima já está muito tenso e o presidente, a cada sessão, intensifica os ataques contra os funcionários de carreira do Poder Legislativo. Por sua vez, os procuradores até o momento não revidaram aos ataques, mas certamente tomarão alguma medida judicial, porque são advogados experientes e que conhecem muito bem seus direitos. Pouco tempo atrás, em uma sessão, o vereador Corazinho chegou a dizer que iria conceder a palavra ao vereador Jabá para discutir uma matéria, mas que ele não poderia comentar o parecer jurídico anexado ao projeto, porque os procuradores não foram eleitos. Ninguém entendeu nada!!!

 

JOGANDO PARA A PLATEIA. Durante a sessão da última segunda-feira, o vereador Nilton Cesar, que agora compõe o grupo da prefeita e a base aliada à administração fez diversas críticas contra o deputado Adailton Fúria. O motivo das reclamações do vereador é que o deputado teria falado que arrumou determinado valor de recursos para Cacoal, mas o fato não foi confirmado e, ao buscar as informações na prefeitura, o vereador constatou que realmente os recursos não existiam. Após a sessão, dois vereadores declararam no setor de cafezinho que o deputado Fúria, quando estava no mandato municipal costumava jogar para a plateia e fazer apenas barulho, sem que nada tivesse ocorrido. Um dos vereadores chegou a citar o caso da denúncia do “roubo de azeitonas” da Semast, fato denunciado pelo atual deputado, mas que não ficou comprovado. Não é a primeira vez que o deputado Adailton Fúria é acusado pelos aliados da administração de criar factoides sobre recursos de emendas parlamentares. Caso ele não consiga atender o município com suas emendas, pode ficar a impressão de que está tentando inviabilizar a administração e isso os eleitores não gostam. E tem aliados de Adailton Furia que garantem que a atual administração do município não aceita emendas de autoria do deputado, em função da rivalidade nas urnas. Essa história pode gerar um desgaste gratuito e desnecessário. 

 

SECRETÁRIO DE OBRAS. Durante a sessão da última segunda-feira, vários vereadores, da oposição e da situação, fizeram duros discursos contra o Secretário Municipal de Obras de Cacoal. Na ocasião, alguns dos oradores disseram que o secretário não conhece a cidade, não respeita os vereadores, não atende telefonemas, visualiza, mas não responde mensagens e ignora completamente as reivindicações dos vereadores. Ainda durante a citada sessão, pelo menos cinco ou seis vereadores solicitaram à Mesa Diretora a convocação do secretário para dar explicações sobre sua pasta. Em contato com nossa equipe, vereadores da situação e da oposição afirmaram que o secretário de obras de Cacoal veio de Machadinho do Oeste onde ocupava o mesmo cargo, mas fora demitido a pedido dos vereadores daquele município, porque não tinha capacidade para exercer o cargo. Tudo indica que a prefeita Glaucione Rodrigues terá um problema administrativo em breve, porque os vereadores costumam determinar quem fica ou não no cargo de secretário. Em tratando-se de estradas rurais, o secretario tem recebido muitos elogios pela qualidade do trabalho que está sendo executado. Com relação ao fato de dar explicações na câmara, todos os secretários já sabem que quando usam a tribuna recebem apenas elogios e parabéns. Todos eles sabem que a participação na sessão é apenas um momento de humor e lazer. 

 

FALTA DE CONEXÃO. Alguns meses atrás, diversos políticos e assessores da prefeita Glaucione Rodrigues fizeram muita festa e a comemoração rolou solta na cidade, porque a administração havia instalado a conexão por wi-fi na pracinha em frente à prefeitura. Parecia que todos os problemas de Cacoal estavam resolvidos.  Passados vários meses, ficou constatado que nenhum problema foi resolvido. Na realidade, instalar a conexão à internet na praça da prefeitura é como distribuir bicicletas para os peixes. Quando tem festa na praça, ninguém usa a internet, os bairros distantes do centro não possuem conexão para a população e tudo continua como antes. Algumas pessoas que conversaram com nossa redação informaram que para conectar a internet gratuita da praça existe uma dificuldade muito grande e que praticamente ninguém consegue. Quem deve gostar disso são os vereadores que reclamam das redes sociais todas as sessões. Eles não aceitam as críticas dos contribuintes. As redes sociais que serviram para eleger o presidente da república são consideradas um grande problema por alguns vereadores de Cacoal.

CPI DO LIXO. Embora muitas pessoas não estejam sabendo, o vereador Mário Moreira Jabá tem insistido muito para criar na Câmara de Cacoal a CPI do Lixo. O curioso é que vários vereadores que pregaram a transparência, a ética e a moralidade em 2016 estão fazendo de tudo para impedir a instalação da CPI. Segundo o vereador Jabá, existem muitas coisas que precisam ser esclarecidas sobre o assunto e que não podem ser colocadas embaixo do tapete do Legislativo. Jabá chegou a declarar, poucos dias atrás, em sessão da câmara, que foi ameaçado de morte por causa da CPI do lixo. Ele não informou quem seria o autor das ameaças. O vereador Mário Jabá disse ainda que foi procurado por pessoas que prometeram conseguir cargos para sua esposa, caso ele esqueça o assunto. Não ficou claro, no discurso do vereador, quem prometeu o cargo para sua esposa, mas com a onda de gravações que existe atualmente, se alguém for gravado fazendo esse tipo de proposta, a situação pode ficar bem complicada. Vale lembrar que a criação de comissões está entre as principais atribuições dos vereadores. Por que será que eles não querem a CPI do Lixo? Comentários nas ruas é de que CPI e Operações em Cacoal nunca dão em nada...

 

O SARGENTO da Polícia Militar em Cacoal,  Roberto Pedro da Silva, esposo da Conceição Aparecida, pai do  Gabriel e do Lucas, em Cacoal desde 1° de Janeiro de 1973,  também lê TRIBUNA POPULAR e o www.tribunapopular.com.br



Fonte: Redação
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais de Boca Maldita