Boca Maldita
Boca Maldita

Coluna

BOCA MALDITA: ESCOLA OU UNIFORMES

Boca Maldita de 24 de janeiro de 2020
Publicado em: 24 de Janeiro de 2020

ESCOLA OU UNIFORMES. As famílias que moram na Linha 09 estão muito preocupadas com a situação da escola Pedro Álvares Cabral.  A razão da tensão é que a Prefeitura de Cacoal resolveu fazer uma reforma da escola, justamente no período em que os alunos esperam o início do ano letivo de 2020. Caso os trabalhos não sejam concluídos com urgência, certamente pode haver algum prejuízo para a comunidade e isto precisa ser avaliado pela prefeita Glaucione Rodrigues. Claro que a reforma da escola é algo muito importante, mas é igualmente importante que os alunos não tenham o ano letivo prejudicado pela falta de planejamento. 

OMISSÃO E DESCASO. Poucos dias atrás, diversos vereadores de Cacoal, ligados à administração, usaram as redes sociais para dizer que, caso os colegas não abandonassem as férias e voltassem para aprovar, a toque de caixa e sem nenhuma análise, o chamado  "Projeto dos Uniformes", a educação de Cacoal não seria a mesma e os alunos seriam muito prejudicados. O curioso é que os mesmos vereadores não falam nenhuma palavra sobre a reforma da escola da Linha 09, ou ainda sobre a situação da escola José de Almeida, que está fechada há vários anos, enquanto o município paga quase 50 mil reais mensais pelo aluguel de um imóvel. Será que os vereadores do grupo da prefeita querem que o município alugue mais um imóvel para atender os alunos da Linha 09 no centro da cidade???

FARRA DAS DIÁRIAS. Os vereadores de Cacoal vão enfrentar, neste ano eleitoral, um grande problema que se arrasta a cada ano e que será exaustivamente comentado pelos contribuintes e pelos candidatos novatos que sonham com uma vaga no Legislativo.  Trata-se da chamada "Farra das Diárias", criticada por muitos contribuintes nas redes sociais e negadas pelos vereadores. Apenas para citar um exemplo, o vereador Wilson Tim recebeu somente em diárias, nos últimos três anos, cerca de R$ 66.000,00. Isto significa uma média de quase 2mil reais, todos os meses, apenas em diárias. Sempre que são cobrados, os vereadores tentam justificar, dizendo que foram à capital "buscar recursos para o município". Porém, a justificativa é tão vazia que os mesmos vereadores dizem que o município somente terá recursos para investimentos, caso a Câmara de Cacoal aprove dois pedidos de empréstimos que a prefeita enviou ao legislativo, um projeto de 5 milhões; outro de 25 milhões. Se essa farra de diárias resultasse em recursos, Cacoal teria cerca de 6 ou 8 milhões de reais por mês. Mas todos sabem que existe muita diferença entre complementação salarial e busca de recursos. 

VEREADORES VALIOSOS. Os contribuintes de Cacoal certamente teriam que contratar um bom escritório de contabilidade, caso tivessem interesse em saber exatamente quanto custa um vereador em Cacoal. Sem colocar na conta as diárias, cada representante do povo cacoalense custa, por mês, pouco mais de 10 mil reais, em valores brutos. Isto significa cerca de 120 mil por ano. Então, o contribuinte pagou,  até agora, cerca de 360 mil para cada vereador, considerando os três anos de mandato. Mas a conta não é tão simples, porque é preciso descontar os 100 dias de férias, os feriados, os dias de viagens e levar em conta que a Câmara tem sessão apenas um dia por semana (quatro dias por mês). Os vereadores alegam que comparecem ao trabalho todos os dias, mas quem frequenta a Câmara sabe que as coisas não são bem assim. Os mais inocentes pregam que deveria diminuir o número de vereadores. Entretanto, essa teoria não mudaria nada, porque os recursos repassados ao legislativo continuariam os mesmos, com 12 ou com 120 vereadores.

CAUSAS INDÍGENAS. A torcida da União Cacoalense e muitos outros amantes do futebol em Rondônia tinha como certa a notícia de que o jogador  Danilo, ex-craque corintiano e campeão do mundo pelo clube paulista, seria o grande reforço do clube da Capital do Café, para a temporada 2020. O jogador esteve na cidade, treinou alguns dias e chegou a entrar num jogo amistoso pela União Cacoalense. Entretanto, logo alguns dias após o jogo, ele embarcou de volta para São Paulo. Algumas pessoas ainda alimentam a ideia de que Danilo possa ser contratado, mas não existe nada concreto. Há quem diga que a principal finalidade do atleta, nos dias que ficou em Cacoal, era adquirir uma propriedade rural e conhecer algumas aldeias indígenas. Se sabiam que seria para isso, sua vinda, que pena!!!

ELEIÇÕES NAS ALDEIAS. Falando em comunidades indígenas, diversos pré-candidatos a vereadores e prefeito passaram a frequentar as aldeias em Cacoal e se mostram muito sensíveis às causas indígenas. Essa prática faz parte da cultura eleitoral de Cacoal e muitas lideranças indígenas costumam alimentar a tradição, oferecendo votos aos candidatos. Tudo indica que esse ano não será muito diferente, porque a movimentação nas aldeias tem sido intensa. Como o número de indígenas em Cacoal é significativo, talvez fosse mais interessante as comunidades indígenas pensarem em ter um representante legítimo, mas não é fácil acontecer isso, pelas brigas internas que existem nas aldeias. Que pena também porque já existem muitos índios com estudo bem mais avançado do que muitos vereadores da atual legislatura e se as brigas internas não existissem, teriam candidato e votos em potencial.

JABÁ MOREIRA x LÍNGUA PRETA. Na semana passada, o vereador Mário Angelino Moreira, o Jabá, foi o convidado para a entrevista no programa Língua Preta, apresentado por Mabel Vianna e Lúcio Lacerda. Na ocasião, como virou uma marca do programa, os apresentadores fizeram diversas brincadeiras com o vereador, mas também discutiram os problemas da cidade. Jabá Moreira aproveitou para mostrar diversos frascos com água e informou que pode haver uma série de irregularidades no sistema de tratamento de água. Há muito tempo, Jabá insiste em questionar a situação do tratamento de água, mas os demais vereadores não se manifestam sobre o assunto. Alguma coisa não está clara nessa história...

ESTRESSE GOVERNAMENTAL. Conforme as informações passadas esta semana pela equipe do governador Marcos Rocha, estava programado que ele cumpriria agenda na região de Espigão do Oeste, Pimenta Bueno e  Cacoal, nesta sexta-feira e no sábado.  Porém não tivemos a confirmação e podem acontecer mudanças. Aliás, nos últimos dias, Marcos Rocha tem sido duramente criticado por simpatizantes do presidente Jair Bolsonaro em Rondônia, visto que ele não tem ajudado no recolhimento de assinaturas que visam criar a Aliança Pelo Brasil, a sigla criada pelo presidente. Os militantes do partido do presidente não são as únicas pessoas irritadas com o governador. O Sintero e os trabalhadores da Educação se preparam para fazer uma greve e impedir o início do ano letivo, caso o governo não realize as eleições para diretores de escolas. Uma greve da Educação nesse começo de ano pode criar um desgaste sem precedentes no atual governo. 

ENERGISA NOS TRIBUNAIS. Após causar o terror na vida de todos os rondonienses, pelos abusos cometidos desde a venda da CERON, a Energisa começou a enfrentar problemas no estado. Dezenas de processos encaminhados pelos  consumidores lesados começam a ser julgados pelo Poder Judiciário de Rondônia e as indenizações certamente colocarão a empresa numa situação muito delicada. Apesar de contar com a omissão ou apoio do Governo de Rondônia, a Energisa precisa ser punida pelos abusos cometidos contra as pessoas que trabalham dia e noite para desenvolver o estado e que são tratadas com tanta humilhação. Além das punições possíveis no Judiciário, os rondonienses esperam que a CPI DA Energisa não termine em pizza como tantas outras CPI,s. Vamos esperar para ver!!!
 

CONVIDADA ILUSTRE. A produção do programa Língua Preta tentava, até hoje pela manhã, confirmar a presença da prefeita Glaucione Rodrigues como a entrevistada deste sábado. Caso a prefeita tenha confirmado, certamente o programa terá novo recorde de acessos, visto que aliados e críticos da administração estarão ligados na TV Cacoal Play. Além da irreverência, Mabel Vianna e Lúcio Lacerda têm sido felizes na escolha dos entrevistados. Cunhado da prefeita, o vereador Valdomiro Corá confirmou presença, dias atrás, e não apareceu. Não é possível que a prefeita faça a mesma coisa...

 

ATÉ QUANDO? Esse ai é o imóvel onde funcionava até final de setembro de 2014, a Unidade  Mista. São mais de cinco anos. Grande parte da população pergunta: ATÉ QUANTO ESSA VERGONHA VAI CONTINUAR?

 

 

O EDUARDO DA SILVA BEZERRA, que é natural de Quirinópolis - Goiás, esposo da Maria Edina Aruda, pai do Thiago Arruda e do Vinicius Arruda e vovô do Pedro Henrique,  que reside em Cacoal desde 1982 e trabalhou no Bradesco durante 13 anos e de lá prá cá atua como  funcionário público, sempre leu e continua lendo TRIBUNA POPULAR e o www.tribunapopular.com.br. 

 



Fonte: Redação
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais de Boca Maldita