Francisco Xavier
Francisco Xavier

Coluna

Coluna do Xavier

CACOAL: AS MÃES, AS ELEIÇÕES E AS ORQUÍDEAS...

CACOAL: AS MÃES, AS ELEIÇÕES E AS ORQUÍDEAS...
Publicado em: 13 de Maio de 2019

As leis eleitorais de nosso país são tão frágeis, em relação à participação efetiva das mulheres na política, que acabam por gerar muitas confusões provocadas pela própria legislação. Contudo não podemos confundir a fragilidade das leis e o casuísmo do Congresso Nacional, que todos os anos em que ocorrem eleições produz uma série de normas que não servem para nada. Tanto não servem que são alteradas a cada ano eleitoral. No caso específico das mulheres, a legislação é tão ruim a ponto de gerar dúvidas sobre o aspecto de elas terem entrado na disputa ou não. Praticamente todos os partidos são investigados sob a alegação de terem colocado nomes de mulheres fictícias na disputa. Em Cacoal, pelos fatos atuais, não precisamos ter esses problemas, porque as mulheres têm um protagonismo que certamente não pode ser negado nem mesmo pela ineficiência da legislação. Na Capital do Café, as mulheres são mães, avós e políticas...
Como neste final de semana teremos o dia das mães, vamos lembrar um pouco algumas mulheres que atuaram ou atuam, com destaque, na política cacoalense. Claro que não vou lembrar de todos os nomes, mas podemos citar Suely Aragão, por ter exercido duas vezes o cargo de prefeita;  a médica Raquel Carvalho, lembrada pela conduta ilibada e por ter sido vice-prefeita do prefeito anterior; a professora Lourdes Kemper, por ter sido a mulher que mais vezes foi vereadora no município; a vereadora Maria Simões, porque nas duas últimas legislaturas é a única mulher no legislativo; a prefeita Glaucione Maria, porque é a única mulher cacoalense que foi secretária municipal, vereadora, deputada e prefeita; e citar a Lu do Orquidário, porque, na minha ótica, é a mulher com o melhor preparo político que temos hoje no universo político cacoalense. Claro que muitas pessoas não vão concordar comigo, porque a Lu do Orquidário não ganhou o Cacau de Ouro, porque ela não faz parte da elite econômica do município, porque não toma o chá das cinco com madames cacoalenes. Outras razões existem para que as pessoas discordem deste meu ponto de vista, fato que não muda muita coisa, visto que busco acompanhar os fatos políticos da cidade a verdade. Mas na pessoa destas mulheres, registro meus cumprimentos a todas as mães de Cacoal, de Rondônia e do Brasil...
Muitas pessoas não admitem, e talvez a própria Lu do Orquidário não admita, mas hoje ela é a mulher mais destacada no universo político da Capital do Café. Esta análise tem como fundamento a realidade que não pode ser negada. A Lu do Orquidário tem uma vida mais sofrida, mais áspera, mais rústica, mais dolorida. Se as demais mulheres de Cacoal conhecessem um pouco mais a vida da dona do orquidário, certamente teriam muito mais carinho por ela, ouviriam mais as coisas que ela diz e até tentariam aprender com ela a arte de cultivar e comercializar orquídeas. Muitas vezes, falta a algumas mulheres políticas de Cacoal, de Rondônia e do Brasil conhecer um pouco mais sobre orquídeas e outras espécies de flores. As flores que possuem espinhos têm uma proteção natural e existem orquídeas que produzem espinhos. Nem todas são apenas flores, fáceis de serem esmagadas... E não tem jeito de fazer política somente com flores; os espinhos são inevitáveis. Deve ser por este motivo que, quando a Lu do Orquidário fala algumas verdades, ela incomoda muitos políticos. A realidade é que a empresária das orquídeas é hoje uma pessoa com um capital político muito grande. Isso não se pode negar!! Na minha avaliação, ela tem muito mais credibilidade política do que uns sete ou oito vereadores de Cacoal juntos...
Basta observar que alguns vereadores falam de fiscalizar apenas quando sobem ao púlpito da Casa de Leis para proferir verborragias. Alguns vereadores que falam em fiscalizar nunca fiscalizaram absolutamente nada, porque passam o mandato inteiro negociando coisas pessoais. O máximo que alguns fazem é pressionar secretários para atender pedidos direcionados e eleitoreiros e chamam isso de fiscalização. A Lu do Orquidário fiscaliza muito melhor do que vários vereadores e eles sabem disso. Ao denominar de púlpito o palanque da câmara, quero dizer que aquilo está longe de ser uma tribuna, porque a maioria dos membros do legislativo mirim judia muito do ambão. Não tenho nenhuma dúvida de que os dois filósofos da honestidade irão concordar com esta tese ou antítese, porque eles conhecem a cidade Capital do Café...
Vale salientar, para evitar interpretações equivocadas, que não tenho convívio com a Lu do Orquidário e discordo de algumas palavras ou expressões que ela emprega em algumas situações, mas ela tem preparo político, tem fibra de mulher e tem fibra de mãe, tem lucidez e conhece os problemas da cidade muito melhor do que vários vereadores. Se ela encontrar o meio termo, no sentido de ser um pouco mais eufemista, em determinadas situações, certamente estará credenciada para entrar na disputa do próximo ano, para qualquer um dos cargos em disputa. Uma pessoa que sofre tantos tombos como ela e que levanta para seguir a vida não teria a menor dificuldade para reerguer Cacoal, como prefeita; a mesma coisa penso, em relação ao cargo de vice-prefeita. No caso do mandato de vereadora, ela já exerce mesmo sem ter sido eleita. E exerce bem! Claro que existem mais três ou quatro bons vereadores em Cacoal que, juntos com a Lu do Orquidário, fazem uma boa atuação. Aqueles que eventualmente tiverem posição diferente da minha têm todo o direito de divergir, mas o tom da política cacoalense já teria perdido o encanto, sem a Lu e sem as orquídeas... Tenho dito!!!

FRANCISCO XAVIER GOMES
Professor da Rede Estadual e Articulista
 



Fonte: FRANCISCO XAVIER GOMES Professor da Rede Estadual e Articuli
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais de Francisco Xavier