Francisco Xavier
Francisco Xavier

Coluna

Coluna do Xavier

CACOAL: A ORIGEM, A EMANCIPAÇÃO, AS HOMENAGENS E A REALIDADE...

CACOAL: A ORIGEM, A EMANCIPAÇÃO, AS HOMENAGENS E A REALIDADE...
Publicado em: 29 de Novembro de 2019

A população de Cacoal viveu esta semana diversas homenagens que foram realizadas em alusão aos 42 anos de emancipação política do município, criado em 1977, no governo do coronel Humberto da Silva Guedes. É claro que nesse período, de mais de quatro décadas, muitas coisas mudaram para melhor na Capital do Café e isto pode ser constatado por qualquer pessoa que anda pelas ruas da cidade. O município possui atualmente uma infraestrutura que o coloca entre as melhores cidades de Rondônia e sugere que a evolução pode ser muito melhor no futuro. Entretanto, as homenagens e as comemorações não podem ser confundidas com a possibilidade de cruzar os braços, uma vez que Cacoal vive, atualmente, alguns problemas que precisam ser resolvidos com urgência. Uma cidade desse porte não merece ficar por dez ou doze anos discutindo a possibilidade de tapar buracos de ruas...
A história de Cacoal começa, na realidade, com a morte de Obedis, o filho mais velho de Anísio Serrão que foi executado por índios da região em 1951. Até esta data, Anísio Serrão era dono de uma área gigante na região e os vestígios de cidade sólida não eram sequer cogitados, naquele tempo. Com a morte de seu filho, Anísio Serrão resolveu mudar para Guajará-Mirim, lugar onde ficou por cerca de três anos, retornando apenas em 1954. Ao chegar de volta à região, ele percebeu que grande parte de suas terras tinha sido invadida por pessoas que precisavam construir suas casas; e outra grande parte foi vendida por grileiros da época. A ação dos grileiros em Cacoal não é nenhuma novidade e a história não permite equívocos. A parte grilada e vendida naquele tempo resultou em dezenas de bairros que existem hoje. Obviamente que muitas pessoas irão divergir de minha avaliação sobre o começo de sucesso que a antiga vila teve. Entretanto, devemos muito a Teodomiro Nonato e Adilton Paulo Notário, que fundaram, em 1973, o Bar Sport e o Açougue Riomar, respectivamente.

As pessoas que não gostam de cerveja e outros produtos etílicos certamente farão beicinho, mas o fato é que uma vila que tem um açougue e um bar tem tudo para virar uma cidade de sucesso, porque há mais vida, mais alegria e mais entretenimento.  E Cacoal é prova viva desse fenômeno!!!
Não há como negar a História. Aliás, negar a História é coisa de quem acredita que a Terra é plana; e os cacoalenses são pessoas inteligentes. É indubitável que muitos problemas de Cacoal foram resolvidos no Bar Eporte e comemorados com churrascos cuja  carne era comprada do Açougue Riomar. Estes empreendimentos do início da década de 70 deveriam ser sempre lembrados pelas pessoas de Cacoal, como símbolos de uma época indelével. Algumas pessoas podem até contestar os argumentos que registro, mas duvido que estarão dispostas a ler a mesma quantidade de livros sobre a História de Rondônia que já li, nos últimos 45 anos. Como nasci no estado, tenho obrigação de conhecer minha história e como tenho muita simpatia pelo suco de cevada e pelo Velhinho, certamente devo homenagens ao Teodomiro...
Agora, meu leitor, puxe uma cadeira! Logicamente que nossa Capital do Café teve um desenvolvimento excelente, nos seus 42 anos de emancipação. Isto é inegável!!! Mas também é indiscutível que as coisas precisam voltar a caminhar. Uma cidade como Cacoal não pode parar! Uma cidade que possui a estrutura urbana, um sistema de ensino superior sólido e uma população tão aguerrida, não pode ficar tanto tempo vivendo de fofocas políticas que têm como pauta os buracos nas ruas. Essa cidade precisa ter prefeitos, vereadores, deputados, senadores que realmente tenham interesse pela cidade. Os cacoalenses que nascem todos os dias não podem pagar pela incapacidade de hoje. Nossa cidade precisa refletir e descobrir novos caminhos. Como pode uma cidade como esta ter oito ou nove vereadores completamente analfabetos? Esse tipo de coisa precisa mudar!!! Como pode uma cidade discutir o “Plano Diretor” de uma única rua, como fez o legislativo essa semana?? É uma vergonha ouvir vereadores falando que votaram um projeto cuja finalidade é “resolver” o problema de uma rua... Essa cidade precisa ter mais de uma rua!!!!
Os vereadores que forem eleitos em outubro de 2020 precisam sentar e perceber que a cidade já é uma mocinha; e uma mocinha de família, que precisa de cuidados. Esta cidade precisa rediscutir todas as leis municipais que hoje atrapalham o crescimento da cidade. As pessoas que tentam colocar a culpa somente no Jabá por causa do Plano Diretor são muito cara de pau! As razões apresentadas pelo vereador Mário Jabá para votar contrário àquele aborto jurídico foram absolutamente corretas. Essa cidade precisa convocar as instituições para discutir projetos sobre esse tema. Esse argumento medíocre de que “todo mundo foi convidado” reflete o descaso e falta de zelo. É necessário tratar com seriedade os problemas da cidade, porque Obedis e os dois filósofos da honestidade não merecem tanta lambança... Tenho dito!!!



Fonte: FRANCISCO XAVIER GOMES Professor da Rede Estadual e Articuli
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais de Francisco Xavier