Francisco Xavier
Francisco Xavier

Coluna

Coluna do Xavier

CACOAL: A CULTURA, A LITERATURA E A POLÍTICA...

CACOAL: A CULTURA, A LITERATURA E A POLÍTICA...
Publicado em: 20 de Setembro de 2019

A População de Cacoal tem diversos segmentos distintos e isto pode ser facilmente percebido, quando as pessoas se reúnem para as atividades de entretenimento e lazer. Logicamente que a imigração é fator preponderante e evidencia aquilo que visceralmente está dentro de cada cacoalense. Vale lembrar que a concepção de cacoalense que se pretende aqui é a condição de habitar a ex - Nova Cassilândia, mesmo porque nossa urbe é ainda debutante, se comparada culturalmente a cidades mais antigas do estado de Rondônia. Claro que há um bom número de quesitos que “Nossa Amada Cacoal” ainda não preenche, no aspecto histórico e cultural, mas muitas coisas estão mudando para melhor. O evento literário organizado pela escola Josino Brito, esta semana, deixa claro que nem tudo está perdido na seara da cultura e da educação. Os alunos e meus colegas professores e professoras deram um espetáculo de aulas de literatura, deixando claro que estamos no caminho certo para formar novas gerações com muita capacidade de pensar, problema sério para quase 60 milhões de brasileiros...
Uma coisa no Brasil é indiscutível: os brasileiros estão muito distantes da História e da Literatura, fato que causa uma distorção colossal e provoca um estrago na organização social e política do país. Não é possível que o Brasil consiga crescer, sem que as pessoas leiam, conheçam sua história, vivam e revivam os fatos, objetivando compreender como nossa sociedade se organiza, como foi estruturada e como se concebeu culturalmente. Foi isso que os alunos do Josino Brito mostraram no evento literário coordenado pela professora Tássyla Fernanda e os demais professores da escola. Com a participação efetiva dos alunos. Ao citar apenas a professora Tássyla, não há nenhuma intenção de omitir o brilhante trabalho que foi feito por todos os demais professores; a questão é de estética mesmo. Pela mesma razão, cito apenas as alunas Hananda Cristina e Yasmin Medina, como representantes de todos os demais alunos. Aliás, como amante da literatura, tenho obrigação de puxar saco de Yaya Medina, porque ela representou Cacoal, na fase final do concurso FERA e foi campeã da fase regional cantando a música “João e Maria” de Chico Buarque. Se não fosse por mais nada, ver alunos com menos de 20 anos cantando as canções com essa qualidade não tem preço! Eu sonho todos os dias com uma Cacoal em que o funk seja tocado somente em rádio de carros de bêbados e que a música de qualidade esteja em todos os lugares, incluindo-se os bailes de formatura de graduações universitárias...
As apresentações feitas pelos estudantes do Josino Brito deixaram claro que eles estudaram os autores, estudaram a história e viajaram na literatura. Isto ficou muito evidente, em virtude da qualidade dos trabalhos. Eles mostraram aos visitantes quem foi Machado de Assis, José Américo, Graciliano Ramos, José de Alencar e diversos outros gênios da história da Literatura Brasileira. E mostraram em que época esses gênios viveram. Obviamente que não foi possível apresentar todos os autores, mesmo porque isto demandaria muito tempo. Entretanto aquilo que foi mostrado serve como base para que as pessoas busquem conhecer outras personalidades do universo literário. É muito ruim constatar, algumas vezes, que no país onde viveram Jorge Amado, Graciliano e Machado de Assis, tenhamos que aceitar a ideia de que Olavo de Carvalho é “escritor”. Aquelas baboseiras que Olavo de Carvalho escreve devem  fazer tremer o túmulo de Machado de Assis e companhia. Cacoal deveria buscar, com maior empenho, colocar nossos estudantes e juventude no caminho da boa música, dos bons livros e da qualidade literária. Os professores e demais servidores da escola Josino Brito estão no caminho certo, porque fazem isso com muita qualidade. Os alunos da escola estão no caminho certo, porque conseguiram entender a ideia de produzir com qualidade. É importante registrar que este trabalho tem o apoio da Coordenação Regional de Ensino e o professor Severino Bertino é uma pessoa muito presente nas escolas. Ele sabe estimular e respeitar o trabalho que fazemos em benefício da ciência e da cultura. Na minha avaliação, o professor Bertino desempenha um excelente trabalho como Coordenador de Ensino. É interessante fazer determinados registros, para que não fique apenas a ideia de que eu tenho predileção pela crítica ácida. O problema é que quando as pessoas produzem aquilo que o Bolsonaro sugeriu em dias alternados, temos a obrigação de manifestar o descontentamento. Quando as pessoas merecerem elogios, gosto de destacar. Na realidade, todos os professores do Josino Brito, todos os alunos e a Coordenação de Ensino merecem elogios pelo trabalho que foi apresentado esta semana na escola. E tenho a convicção de que os dois filósofos da honestidade concordam comigo, também desta vez...
Obviamente que os alunos da escola Josino Brito sabem que Graciliano Ramos era veemente em suas posições. Assim, para não dizer que não falei das flores, ele certamente reclamaria do problema que existe no gerador de energia da escola e foi justamente por este problema que os trabalhos não foram apresentados durante o dia todo. Sinceramente, não considero culpa da escola a deficiência do gerador de energia, porque isso depende da galera de Porto-Velho. Se Graciliano estivesse vivo, com certeza, ele cobraria do secretário de estado da educação a imediata resolução do problema de energia da escola. Certa vez, Graciliano Ramos, quando era prefeito de Palmeira dos Índios, mandou prender o próprio pai, por uma infração de trânsito. Duvido que ele permitiria que a escola Josino Brito ficasse sem energia, mas acredito que a Seduc vai resolver isso. É importante que o secretário Suamy Lacerda resolva logo essa situação, para que o bom trabalho que está sendo realizado na escola Josino Brito não se transforme na cadelinha Baleia, tão bem descrita pelo Graciliano e pelos alunos no evento desta semana. Certamente que um gerador novo vai impedir que tenhamos “Vidas Secas” na cultura e na literatura de “Nossa Amada Cacoal”... Tenho dito!!!!

FRANCISCO XAVIER GOMES
Professor da Rede Estadual e Articulista



Fonte: FRANCISCO XAVIER GOMES Professor da Rede Estadual e Articuli
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais de Francisco Xavier