Boca Maldita
Boca Maldita

Coluna

Boca Maldita - 18 de janeiro de 2019

Publicado em: 18 de Janeiro de 2019

Boca Maldita - 18...

MOVIMENTAÇÃO ATÍPICA. O presidente do STF em exercício, ministro Luiz Fux suspendeu, nesta quinta-feira, as investigações relacionadas com o motorista Fabrício Queiroz, ex-motorista do senador eleito Flavio Bolsonaro. A decisão foi tomada depois que Flávio Bolsonaro apresentou recurso ao STF, solicitando que ele seja investigado pelas autoridades federais, visto que, em 1º de fevereiro assumirá o mandato de senador da república. O filho do presidente Bolsonaro tem dito à imprensa que nada tem a ver com a situação financeira de seu motorista e que cabe a Fabrício Queiroz esclarecer os fatos. É curioso que o filho do presidente tenha pressa em esclarecer os fatos e tome uma medida como esta, que fez parar as investigações. Flávio Bolsonaro tem todo o direito de solicitar medidas como a que foi adotada esta semana, porém, politicamente, sua atitude também soa como uma movimentação atípica. Quem deseja esclarecer não pode adotar medidas protelatórias. 

POSSE DE ARMAS. No começo desta semana, o presidente Jair Bolsonaro assinou o decreto com novas regras à posse de armas no Brasil. A medida parece não ter produzido os mesmos efeitos esperados pelos defensores da ideia, porque diversos aliados do governo criticaram o teor do decreto.  Além disso, as pessoas menos informadas acreditavam que o novo governo autorizaria o porte de armas, porém existe uma grande diferença entre posse e porte de arma.  As pessoas que cumprirem as normas previstas podem ter arma em casa, mas o número de restrições ainda é grande. No citado decreto, ficou estabelecido que antes de comprar a arma, as pessoas que desejam o benefício devem possuir um cofre. Se formos considerar os preços dos cofres no mercado, poucas pessoas terão condições de guardar armas em casa. Ou seja, como medida de segurança, apenas os ricos serão beneficiados.

POSSE DE LIQUIDIFICADOR. Após a divulgação da notícia sobre as novas regras para a posse de armas, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, declarou que os riscos de acidentes relacionados com o fato de alguém ter uma arma em casa são os mesmos de alguém ter um aparelho de liquidificador, porque,  segundo ele, uma criança poderia colocar a mão dentro do aparelho em funcionamento.  Talvez nem o ministro saiba por que disse isso, mas comparar o perigo de uma arma de fogo com um liquidificador é zombar da cara da população. Os índices de mortes de crianças ou adolescentes, vitimas de armas de fogo são conhecidos, mas não se tem nenhum registro de mortes de crianças, adolescentes ou jovens em consequência do uso inadequado de liquidificador. 

MERITOCRACIA IDEOLÓGICA. Quando o novo governo concedeu uma promoção profissional ao filho do vice-presidente Hamilton Mourão, situação em que o herdeiro do vice passou a ter um salário de quase 40 mil reais, o general reagiu às críticas, dizendo que seu filho era muito competente e que nunca teve oportunidade nos governos anteriores. Após as declarações do vice-presidente, o Banco do Brasil, onde trabalha o filho de Mourão, se manifestou e informou que apenas no período em que o PT governou o país, o servidor foi promovido oito vezes. 

LEGISLATIVO x EXECUTIVO. A data de posse dos deputados estaduais pode marcar oficialmente o começo de uma longa disputa entre o Legislativo e o Executivo em Rondônia. Mesmo sem ter nenhuma experiência política, o governador Marcos Rocha tenta estabelecer uma queda de braço na qual pretende impor suas vontades sobre a maioria dos deputados e sobre os órgãos de imprensa. Pelo histórico da Assembleia Legislativa e pela larga experiência de muitos deputados que tomam posse no dia primeiro, é difícil acreditar que o governador vai impor sua nova política. As diárias recebidas por ele e a esposa, antes de tomar posse, a nomeação da ex-mulher e a falta de tato podem ser grandes atropelos na vida do governador, nos primeiros dias ou meses de mandato. Casos que um bom assessor possa evitar...

ENERGIA JUDICIAL. O governo de Rondônia terá uma missão complicada no começo deste governo. A questão é que no final do ano passado a Eletrobrás resolveu aumentar a tarifa de energia no estado. Uma decisão judicial havia suspendido o aumento, porém esta semana, a decisão foi derrubada nas instâncias superiores do judiciário e o contribuinte certamente pagará a conta. Pouco tempo atrás, em debate realizado durante o período eleitoral, o agora governador Marcos Rocha disse que promoveria a geração de empregos com renda suficiente para que os rondonienses pudessem pagar suas contas de energia e demais obrigações. Caso ele mantenha a proposta, a população pode ficar despreocupada. Entretanto, em caso de não cumprimento, mais uma vez, a conta ficará para a população, fato muito comum em nosso estado e nosso país. Por qual motivo a Ceron acabou nas mãos da Eletrobras? Quem foram os culpados?  Quem paga a conta?

MUDANÇA ADMINISTRATIVA. A administração municipal começará as atividades em 2019 com a possibilidade de uma baixa significativa.  O Secretário de Planejamento, Antônio Oliveira Brito poderá deixar o cargo, nos próximos dias. Na verdade, já houve até mesmo a nomeação de um secretário interino, mas a prefeita Glaucione Rodrigues ainda espera a liberação de Antônio Brito, por parte do governo estadual.  Pessoas próximas à prefeita informam que a eventual saída do secretário tem a ver com uma decisão do governador Marcos Rocha, que determinou a volta de todos os servidores às atividades de origem. Além de possuir excelente preparo técnico, Antônio Brito está entre os secretários mais próximos da prefeita, em virtude de laços familiares. Caso venha a deixar a administração, certamente causa uma grande baixa política e administrativa no time da prefeita.

CASSAÇÃO DE MANDATO. Depois que a prefeita Glaucione Rodrigues decidiu acionar o Poder Judiciário para evitar que algumas pessoas se manifestem contra a administração nas redes sociais, ganhou corpo um movimento que promete exigir da Câmara de vereadores a cassação do mandato da prefeita. Ontem os lideres do movimento estiveram no Feirão, com o objetivo de colher assinaturas para dar força a um eventual pedido na Casa de Leis.  É claro que cassar mandato não é tão simples assim e a prefeita Glaucione conta com pelo menos nove votos a seu favor dentro da Casa. O desgaste político é muito grande, mas os vereadores controlados pela administração não estão preocupadas com isso. Diversos vereadores aproveitam-se da situação da administração para empregar seus amigos e parentes em cargos comissionados da prefeitura, como se isso resolvesse os problemas da cidade. E um grande problema da prefeita é exatamente não poder mexer em algum setor pelo fato daquele setor pertencer a aliado de vereador. Fica difícil de administrar dessa forma, sem contar que 10 partidos ajudaram na eleição de Glaucione. Um probleminha: cada envolvido como ajudante da administração parece pensar em si e não em melhoria de Cacoal. 

QUESTÃO PLUVIAL. As últimas chuvas que caíram em Cacoal deixaram claro que a estrutura do Complexo Beira Rio pode ter sérios problemas em períodos invernosos. Construído com a finalidade de abrigar eventos diversos, o complexo teve suas calçadas praticamente imersas pelas chuvas e ficou a impressão de que o projeto não observou as possibilidades pluviométricas, normais na nossa região. O Beira Rio é um antigo sonho de infraestrutura do deputado Nilton Capixaba e levou anos para ser construído, além do que a obra consumiu aproximadamente 15 milhões de reais. Tudo indica que alguma coisa precisará ser feita para evitar que as fortes chuvas impeçam algum evento. Estamos na torcida para que venha logo o período de estiagem em Rondônia, fato que servirá para preservar o Complexo Beira Rio e permitir que a administração faça um trabalho de recuperação das vias públicas, hoje muito castigadas com as chuvas.

CARRO BLINDADO. Nos bastidores políticos de Cacoal circula a informação de que um dos vereadores teria adquirido nos últimos dias um carro blindado.  Caso fosse algum vereador que tenha gosto pelas polêmicas na cidade, até seria fácil entender.  Não dá para entender a aquisição de um carro blindado feita por um vereador que boa parte da população muitas vezes nem lembra que existe.  Mesmo assim, com a nova regra de posse de armas, muitas pessoas vão tentar se proteger cada vez mais. Logicamente que BM nada tem contra o fato de alguém comprar um veículo e a surpresa é apenas porque Cacoal não possui um nível de violência que justifique tal medida.

TRIBUNA POPULAR faz parte desta cidade desde 23 de agosto de 1980, quando seu primeiro exemplar foi lançado. Acompanhamos seus passos e ficamos surpresos com o seu crescimento. Nesse espaço de tempo, acompanhamos os momentos difíceis e os bons momentos de Cacoal. Muito podíamos falar aqui, mas é impossível. Tivemos a paciência de esperar por muitas coisas, mas muitas coisas aconteceram antecipadamente. Hoje, vemos pessoas apressadinhas que chegaram “ontem” e querem cobrar aquilo que não é de uma hora para outra que se concretiza, ainda mais com a burocracia existente nos dias de hoje no serviço público. A cidade cresceu e dezenas de bairros surgiram, com inúmeras ruas para dar manutenção, inclusive, muitas deterioradas em administrações anteriores. Uma usina de asfalto está prestes a funcionar com capacidade anunciada de resolver o problema que parece ser o único, os buracos dessas ruas que em grande parte já existiam na administração anterior e em face da existência dos mesmos, fora prometida pelo ex-governador Confúcio Moura e que por um bom tempo esbarrou na burocracia. Uma vez colocada a usina em funcionamento, vamos analisando o desenvolvimento dos trabalhos para ver Cacoal novamente invejada por outros municípios como fora tempo atrás, como muito bonita, em função de suas zeladas ruas, avenidas e canteiros. Quem sabe, o jornalista Valdir Costa, de Porto Velho, ao invés de afirmar como afirmou no final do mandato passado que Cacoal está acabada, diga, Cacoal está linda!

 

A GERENTE DA AVALLANCH MODA MASCULINA, na Porto Velho, 2283, no centro, ao lado da Caixa Econômica,  Kátia Lobo, que nasceu em Ariquemes e reside em Cacoal desde 2014, esposa do Leomar Rodrigues  e mãe do Jheimison Cavalcante, da Karen Lobo e das gêmeas Anne Kassia e Anne Kezia, também  lê TRIBUNA POPULAR e acessa o www.tribunapopular.com.br



Fonte: Redação
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais de Boca Maldita