Memórias de Ana...
Memórias de Ana Carolina

Coluna

Carolina

A Escrita é uma dádiva

31/08/2018
Publicado em: 31 de Agosto de 2018

E como faz? Quando o que se vive é o contrário do que se crê? Quando seus esforços são grandes, mas a certeza do que se quer não está realmente clara? A visão está turva, muito... As ruas estão para mim como labirintos... Os sons estão distorcidos e a esperança vem a passos lentos. O que faço, então? Quando encenar se tornou uma saída e, na escuridão e solidão a verdade vem à tona? Quando o coração te leva por aqui e a vida te avisa que pode dar errado, cedo ou tarde?

Pois bem. Por isso quero sentar lá fora e adormecer na grama, como nunca fiz, para me deixar esvaziar desse dia sem jeito. Quero viver em outra época, de outro modo, por outro rumo. Mereço repousar, descansar disso tudo. Sim, eu mereço. Hoje a labuta foi vingativa, e amanhã será também. Vivo esse conflito, e só eu sei o peso das lágrimas que escorrem. Me sobra a escrita. É o que resta. (Meu Deus, obrigada por ter me dado isso de presente).

 



Fonte: Ana Carolina Memória
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais de Memórias de Ana Carolina